Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

imagens do passaporteO tema do Quadro Mundo Pet da última semana me fez lembrar de um dos momentos mais tensos da minha vida. Foi quando eu voltava da Irlanda em maio de 2009 e trazia minha Layly. Pra quem não sabe a Layly é a cadelinha que conviveu comigo por maravilhosos 9 anos e morreu em novembro de 2014.

Quando a compramos, nos preocupamos com tudo, pra que ela viesse comigo para o Brasil. Verifiquei se ela tinha todas as vacinas, microchip, providenciei o passaporte europeu pra animais, assim como todos certificados que a companhia aérea me informou que seria necessário. Chegando próximo da data de embarque, comprei a caixa para fazer o transporte e ainda uma bolsa pra carrega-la entre um vôo e outro. Não queria que ela não ficasse presa o tempo todo em uma caixa fechada, levando em conta que passaríamos mais de 24 horas entre as conexões. 

Saímos de Dublin com destino a Amsterdan, paguei a passagem dela, que no caso foi apenas excesso de bagagem, devido ela pesar apenas dois quilos. Ela veio comigo nos meus pés. De fralda e calça jeans, a minha yorkshire arrasava por onde passava.

Porém o sonho de chegar ao Brasil após 5 anos, estava prestes a virar um pesadelo. Chegamos ao aeroporto Internacional de Guarulhos às 6 da manhã do dia seguinte. Próximo vôo confirmado pra Goiânia, às 8hs, mas fomos barradas na Vigilância Sanitária. Segundo o veterinário do plantão, faltava um documento que era emitido pelo Ministério da Agricultura da Irlanda, comprovando a saúde  do animal. Informaram-me que ela seria deportada pra Irlanda.

Sabe o que aconteceu? Eu surtei. Por ser ilegal, não podia voltar com ela. E ai como faria? Fiz um escândalo, chamaram o pessoal da Companhia e me levaram pra sala VIP. O veterinário me deu até o final do expediente dele pra conseguir o documento. A empresa me ofereceu todo suporte, fiz várias ligações pra amigos e também pra veterinária dela em Athenry, cidade em que morei na Irlanda. Gentilmente, a Vet dela foi até o órgão pegou o documento pra mim e mandou via e-mail. Toda essa burocracia durou quase 12 horas.  No final parecia final de filme. O meu choro, virou lágrimas de alegria e agradecimento a todos que me ajudaram.

Tinha previsão pra chegar a Goiânia às 9 da manhã, chegamos às 8 da noite. Eu tive a sorte de ter anjos no meu caminho, mas já pensou o que poderia ter acontecido se eu não conseguisse esse documento? Sendo assim, fique ligado as dicas do Ministério da Agricultura aqui em Goiás. Faça o check list dos documentos e tenha certeza que está tudo certo antes de embarcar.

Até logo!

 

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757