Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Imagem: FGF
fgf goianao
A defesa da Aparecidense é a menos vazada do Goianão, ao lado da do Iporá, com apenas 12 gols sofridos. O Goiás sofreu cinco a mais que o Camaleão, o Vila três e o Atlético um. Sendo assim, a maioria dos jogadores que compõem as posições defensivas da minha seleção são do time da cidade de Aparecida de Goiânia.

No meio, os volantes Clécio (Aparecidense) [que marcou dois golaços na vitória sobre o Goiás, em plena Serrinha] e Felipe Baiano [que frequentemente realiza grandes atuações] foram destaques neste campeonato. Os meias Robert (Aparecidense) e Jorginho (Atlético), ambos com cinco gols, somaram muitos pontos para suas equipes.

No ataque, Gilmar (Itumbiara) e Léo Gamalho (Goiás) [que, inclusive, ficou fora por cinco partidas] estão desequilibrando. Gostaria de citar negativamente os jogadores Nonato (Goianésia), Frontini (Crac), Tozin (Aparecidense), Walter (até então no Goiás) e Júnior Viçosa (Atlético) [este até começou a realizar boas atuações na reta final], que no início do Goianão eram cotados à briga pela artilharia.

Aponto Zé Teodoro como o melhor técnico deste Goianão. O grande jejum de quatro jogos sem vitória no início da competição não foram suficientes para o experiente treinador perder o comando do grupo. Pelo contrário, a união e paciência que teve com os jogadores, aliada a uma rotina de treinamentos milimetricamente calculada, fizeram com que o time da Aparecidense chegasse à semifinal do estadual em primeiro no geral.

A Fera do Goianão, como não poderia ser diferente, é o grande Léo Gamalho, do Goiás. Reparem nas atuações de Léo: ele está sempre desmarcado. Dificilmente o verá gritando em campo ou perdendo o controle. A calma com os companheiros e sua frieza de matador fez com que o início de ano do Goiás não fosse um desastre total. A grande revelação, sem dúvidas, é o jovem atacante João Pedro, do Atlético. Com 18 anos, o atacante marcou quatro gols em suas três primeiras partidas.

Na arbitragem, acabei “colando” os votos do companheiro André Rodrigues, já que não acompanhei o desempenho dos nossos trios pari passu.

Minha Seleção do Goianão:

Goleiro: Cleriston (Iporá)
Lateral-direito: Rafael Cruz (Aparecidense)
Zagueiro: Mirita (Aparecidense)
Zagueiro: Robson (Aparecidense)
Lateral-esquerdo: Hélder (Aparecidense)
Volante: Clécio (Aparecidense)
Volante: Felipe Baiano (Anápolis)
Meia: Robert (Aparecidense)
Meia: Jorginho (Atlético)
Atacante: Léo Gamalho (Goiás)
Atacante: Gilmar (Itumbiara)

Técnico: Zé Teodoro (Aparecidense)

Árbitro: Eduardo Tomaz
Assistente: Bruno Pires
Assistente: Fabrício Vilarinho

Revelação: João Pedro (Atlético)

Fera do Goianão: Léo Gamalho (Goiás)

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757